Happiness is a matter of benchmark

Last week I discovered a new fun fact that I just have to share with you guys: -40 degrees is the temperature where Celsius and Fahrenheit meet.

Now, ain’t that something?

And you can ask me “wait, but how the hell does the equation that relates Celsius to Fahrenheit work then? – that’s crazy”. I know. But actually what you should be asking me, as I would’t have a clue about how to answer that #foreversocialsciences is: “wait, but why the hell did you lose any time searching the conversion between    -40 Fahrenheit and Celsius?” And the answer is simple: Google told me that the weather in Boston last weekend would “feel like” -40 Fahrenheit and I thought, for just a innocent second, that maybe that meant +22 in Celsius. You never know, right?

Yeap, not the case.

Resigned and with cold feet, I woke up last Saturday and went to check the weather on my cell phone app to see if it was still safe to go out and get some eggs at the supermarket from the corner. It’s that old saying: “If life gives you -40 degrees, you make yourself some eggnog”.

Now, a bit of context: December last year I travelled to Colombia and, to be updated on the weather over there I added “Cartagena” to the list of cities to follow on my phone’s weather app.

Don’t try this at home. Ever.

Cartagena is a nasty little city where the weather dares to vary from 80 to 95 degrees all year long. Spoiler: if you go to Cartagena next winter it will be 80 degrees by night and 95 degrees noon. Out of shameless laziness, I ended up leaving it on my weather app. And ever since, every time I go check the weather in Boston what I find is: Cartagena: 81 degrees, Boston, 19. Cartagena: 89, Boston: 10. And every time I think that there’s someone in Cartagena dragging some flip flops around and drinking mojitos while I’m mummifying myself in scarfs to go to the supermarket around the corner I get a little bid sad. It’s not deep sadness, it’s more that tiny second when of bumping-your-little-toe against-the-coffee-table or waxing-your-calf-with-cold-wax type of thing. But still, it happens every time.

Ok, back to last Saturday morning. I decided I had had enough of this daily dose of grumpiness – specially because I knew Boston could never beat Cartagena, not even in the summer, and I decided to adopt a new tactics: I snapped “delete” onto “Cartagena: 93 degrees” and searched for a city just about in the middle of Siberia, that was reasonably populated and had a satisfying winter weather average: Novosibirsk. 1.5 million people live in this beautiful city. 1.5 million people are, as we speak, at -8 degrees. Boston: 23. Novosibirsk -7, Boston: -25, Novosibirsk: -18, Boston: 20.

Muahaha!!

I’ve been in love with Boston ever since. What a pleasant weather! Delightful afternoon winds! In Novosibirsk the sun rises at: 11AM. Sets at: 11:17AM. And Boston with this wonderful daylight until 4PM, what a luxury!

Now, please observe my dear readers, how basic, naïve and bastard the human happiness can be. Observe that absolutely anything regarding the circumstances of my day has changed. It’s not a degree warmer in Boston, one should note. I’ve just changed the benchmark, my base of comparison, if you will. In the attempt to feel more at ease with Boston’s winter, I found a goddam shortcut to happiness.

“Ok, but why should I care, if I live in Miami, Santa Barbara or Singapore and I don’t have to compare myself to a habitant of Novosibirsk to feel happy about my life?”

That’s the thing. The benchmarking technique can be actually applied to the most various different aspects of life. And I tell you something: it IS already responsible for outlining our happiness without we even realizing it. I bet that most of us, facebook likers and instagram voyers suffer with the silent exposure to a “destructive benchmark” that little by little, post by post, gets us to think that our life is lees cool, our vacation less awesome and our friends less likely to be tequila shots partners.

All this filter of information that happens through the facebook-of-the-season makes it so that everyone else’s lives look a lot like Cartagena while we’re stuck in Boston in the winter. And that’s not fair because, by simple logic, if most of us feel this way, this can not possibly be true. But as nobody posts pictures while “On my boxers, farting and watching Seinfield re-runs” and we all post “awesome weekend at the Suisse alps with the best friends in the world” we end up with this bad “my life is mediocre” taste in our mouths.

I think the biggest issue with all of this is that we’re not entirely conscious about it. Up until I replaced Cartagena for Novosibirsk I hadn’t realized just how much that comparison was affecting my mood every day. And I think that those 15min of sliding our fingers through our timeline can seem harmless, but they’re actually rather perverse. Every backpacking trip around Europe, every friend that comments on an amazing new project at work every, “I’ve just ran 4,3 miles with Nike. Feeling blessed” adds up and builds a little sadness inside of us, and in my view, contributes to have a whole generation pressuring itself to “live life to the fullest”, “do what you love all the time”, “be happy today as if it were the last day of your life”. Because we do get deluded that there are a lot of people, or worse – a lot of our friends, our college classmates, the guy sitting next to us at work – that are just having a blast all the time.

Well, let me tell you something: a lot of people who live in Cartagena do get fed up with the heat from time to time. So, let’s stop fantasizing that everyone else’s lives are – just – wonderful in 3,2,1?

Oh yeah, sure, but how do I do that? Ok, can I start following a friend that has never travelled beyond Kansas so I can feel better about spending my summer at a cheap all-you-can-eat buffet hotel in Florida? Yep. Can I invite an unemployed friend to join LinkedIn so I feel better about my boring job? Sure, add me to your connection’s list, be my guest.

But while I believe this tactic is – highly – effective to calm down winter grumpiness, I do advise something a little more long-term to deal with important life issues: compare yourself a bit less with your high school mate, speculate a bit less about your neighbour’s life, delete facebook from your phone and… wait for it – become your own benchmark!

Wait, what, is that even a thing? Hell yeah!!

Are you feeling a bit “help, just woke up in Boston in the winter”? Think about how much you’ve learned at work ever since that crazy new boss arrived last year; celebrate how much your Spanish has improved ever since you’ve started watching Narcos; spend a little more time going over the photos of your last family trip and less time at Chrissy Teigen’s Instagram; compare yourself less to your professional snowboard friend and remember that, for someone that a year ago couldn’t even stand up in skis, going down the children’s slope is goddam amazing (by the way, if you do need benchmark to feel better about your ski skills, I can send some personal videos).

I know that this smells like those “before iphone everybody talked to each other at the subway” talks, but that’s not what this is about. I really don’t think that that Zuckerberg kid is to blame. This impulse of comparing oneself to ones peers is inherent to our nature. But I do think that with facebook, instagram and other networks it has become a lot easier to access other people’s “intimacy” and curate the image we project to the world, so we do need to make an extra effort so that our neighbours’ super exciting lives don’t occupy too much space in our imagination.

But anyhow, if none of this works, worry not: just get a ticket to Cartagena and you’ll be just fine.

Advertisements

Felicidade é questão de benchmark

Fim de semana passado eu descobri um fato novo interessante pra dividir com aqui vocês, pessoal: -40 graus é a temperatura onde celsius e fahrenheit se encontram.

Ó que bacana.

E você pode me perguntar, “mas que loucura gente, como é que funciona a equação que relaciona celsius e fahrenheit então?”. Mas o que você deveria estar me perguntando, até porque eu obviamente não teria noção de como te responder uma pergunta dessas, #soudehumanas, é: “why the hell você perdeu tempo pesquisando quanto é -40 graus em celsius, moça?” E a resposta é simples: Google me disse que a sensação térmica em Boston este fim de semana seria de -40 fahrenheit e eu pensei por um segundim só que de repente isso poderia significar +22 em celsius, vai que.

Pois é, não. Resignada e de pé gelado, eu acordei no sábado e fui checar o tempo no aplicativo do celular pra ver se o clima ainda estava humanamente suportável pra sair pra comprar leite condensado pra fazer canjica. É aquele velho ditado: “Se a vida te der -40 graus, faça uma canjica”.

Agora, contexto: em dezembro eu viajei pra Colômbia e, pra ficar a par do clima por lá eu adicionei “Cartagena” à minha lista de cidades no aplicativo de Tempo no celular.

Não façam isso. Jamais.

Cartagena é uma cidadezinha sem-vergonha onde o clima, durante todo o fuckin’ ano, varia entre 26 e 35 graus, com sol. Todo o ano. Spoiler: se você for pra Cartagena nesse inverno, vai fazer 26 graus à noite e 35 graus ao meio dia. Por conta de uma preguiça marota, eu deixei aquela cidade ali, gravadinha na memória do aplicativo do celular. E então cada vez que vou olhar a temperatura em Boston, o que eu encontro é: Cartagena: 28 graus, Boston: -7. Cartagena: 32 graus, Boston: -12. E cada vez que eu penso que tem alguém em Cartagena arrastando havaiana e tomando mojito enquanto eu tô me mumificando em cachecol pra ir ao supermercado da esquina eu fico um tiquim mais triste. Não é uma tristeza profunda não, é só aquele mini-segundo mesmo de bater-mindinho-na-esquina-da-mesa, depilar-canela-com-cera-fria que logo vai embora. Mas acontece cada vez.

Ok. Voltemos ao sábado de manhã. De saco cheio dessa raivinha diária – principalmente por saber que Boston nem no verão vai se vingar de Cartagena, resolvi adotar uma nova tática: lasquei o delete em “Cartagena: 34 graus” e busquei uma cidade ali no meio da Sibéria, que fossa razoavelmente habitada e que tivesse um inverno nos trinques: Novosibirsk. Um milhão e meio de pessoas moram nessa beleza de cidade. Um milhão e meio de pessoas estão, agora, a -22 graus. Boston: -5, Novosibirsk: -22. Boston: -12, Novosibirsk: -28.

Muahaha!!

Desde então, tô de lua de mel com Boston. Que clima mais agradável. Temperatura amena. Que sorte a minha! Em Novosibirsk, sol nasce: 11AM. Sol se põe: 11:17AM. E Boston com essa claridade até 4 da tarde, que luxo!

Agora observe, meu caro leitor, que básica, ingênua e cretina é a felicidade humana. Observem que absolutamente NADA mudou nas circunstâncias do meu dia a dia. Não é que tá fazendo mais calor em Boston, percebe? Só mudei o benchmark, a base de comparação mesmo. Na tentativa de me aclimatar a esse inverno do tinhoso, olhe veja: descobri um atalho mutreta pra felicidade!

“Então, ok, mas o que eu posso tirar disso se eu moro em Belo Horizonte, Barcelona ou Palmas e não preciso me comparar com Novosibirsk pra ficar feliz sobre a temperatura na minha cidade?”

Aí que tá. O negocio é que a técnica do benchmark pode ser utilizada pra tudo nessa vida. E digo mais, ela JÁ modela nossa visão de felicidade sem a gente saber. Truco que a maioria de nós, que chegou até este post através do Facebook sofre com a exposição silenciosa ao “benchmark destrutivo”, que pouco a pouco – no caso, post a post – faz com que a gente pense que a nossa vida é a menos legal, nossas férias as menos bacanas e nossos amigos os menos parceiros de shot de tequila.

Essa filtrada de informação que rola através do Facebook-da-vez faz com que a vida alheia seja uma constante Cartagena enquanto a nossa é Boston no inverno. E não é justo isso, porque, por lógica, veja bem, se muitos de nós sentimos isso, isso não pode ser verdade. Mas como ninguém posta o momento “Peidando de cueca vendo reprise de Seinfield” e todo mundo posta “Fim de semana com os melhores amigos do mundo esquiando nos alpes suíços” a gente fica com aquele ranço no fundo da garganta de que a nossa vida é meio… medíocre.

E eu acho que o maior problema aqui é que a gente não se dá conta disso. Até eu trocar o Cartagena por Novosibirsk eu não tinha percebido o tanto que aquela comparação estava afetando o meu humor no dia a dia. E eu acho que aqueles 15 minutos de patinar o indicador na timeline podem parecer inofensivo mas eles são perverso pra caramba. Cada mochilão alheio pela Europa, cada amigo que curte um job novo do trabalho como quem curte o aniversário do sobrinho, cada Fulanito que corre 5,3km com Nike vai acumulando uma tristezinha que, na minha opinião, contribui pra uma geração inteira se pressionando pra “viver intensamente”, “trabalhar com o que ama”, “ser feliz hoje como se fosse o último dia da vida”. Porque nessa história a gente se ilude que tem muita gente, ou pior – muito dos nossos amigos, os nossos colegas da faculdade, o cara da baia do lado – que está o tempo todo surfando na crista da onda dessa vida.

Te contar uma coisa: um bocado de gente que mora em Cartagena de vez em quando fica de saco cheio do calor. Então assim, vamos parar de fantasiar que a vida alheia é – só – maravilhosa em 3,2,1?

Ah, claro, mas como faz? Rola de adicionar aquele conhecido que passa férias em num hotel fazenda em Brumadinho pra se sentir melhor sobre seu carnaval pra Cabo Frio? Ok. Rola de convidar o amigo desempregado pra te fazer mais felizim no Linkedin? Adiciona lá meu perfil!

Mas enquanto eu acho que a tática é eficaz (íssima!) pra apaziguar o mau-humor com o inverno, aconselho algo mais longo-prazo pras questões mais importantes da vida: se compara menos com o amigo do colégio, especula menos sobre a vida alheia, deleta o aplicativo do facebook do celular e… olha que bonito – seja seu próprio benchmark!

É possível?! Confere, produção?! Hell, yeah!!

Tá se sentindo meio “socorro, acordei em Boston no inverno”? Pensa o tanto que você cresceu no trabalho desde que o chefe sem noção entrou no ano passado; pega como seu espanhol melhorou desde que você começou a assistir Narcos; gasta um pouquinho mais de tempo revendo fotos de viagens boas antigas do que no Instagram da Giovanna Ewbank; se compara menos com o amigo que é profissa no snowboard e lembra que pra quem há um ano tremia nas bases quando botava um esqui, descer a pista de criança é foda pra caralho (se precisar de benchmark pra se sentir melhor no esqui, tenho uns vídeos pessoais que eu posso te mandar).

E eu sei que isso tem cheiro de papo nostálgico de “antes do iphone todo mundo era brother no metrô” mas não é nada disso, não acho que a culpa é toda do menino Zuckerberg. Acho que esse impulso de se comparar com o coleguinha do lado faz parte da natureza humana mesmo, só que com facebook e instagram fica mais fácil o acesso à “intimidade” alheia e à recauchutada da imagem que a gente projeta, então a gente precisa fazer um esforço maior pra vida do vizinho não ocupar muito espaço no nosso imaginário.

Mas enfim, se nada disso der certo, meu amigo, não se avexe: compra um vôo pra Cartagena que tudo se resolve.